No dia 18 de agosto, em São Paulo, na Livraria da Villa-Hopping Cidade Jardim, a presidente da BPW Brasil, Sueli Batista, a presidente da BPW São Paulo, Marisia Donatelli e a conselheira diretora da organização, Vera Di Pietro, foram conferir de perto uma das suas talentosas associadas, Betth Ripolli, compositora, cantora e palestrante motivacional. O evento foi de altíssimo nível, com piano acústico, guitarra, flauta transversal, sax e baixo, nos acordes executados por integrantes da Banda Harmonia.

No mundo das associadas da BPW (Business Profissional Women), mesclam-se as mais diversas atividades empreendedoras. Mulheres profissionais e de negócios nem sempre ficam presas a números, consultorias, compra e venda, administração. Não raras às vezes elas podem dar asas a sua imaginação, principalmente na arte e na cultura.

Betth Ripolli é uma empreendedora da área musical e através da sua própria história levou a seleta plateia a ir além de cantar junto com ela, mas também chorar e refletir sobre os caminhos construídos numa trajetória de vida. Na trilha da sua história, o composto de cerceamento de liberdade, violência de gênero, ousadia, muita energia transformadora e capacidade de superação se mesclam. “A composição que se forma entre a palestrante e a plateia é muito sinérgica, nem sempre fácil de acompanhar. É preciso e muito, afinar os instrumentos internos, ou mudar algum canal dos sentidos, só não é possível o público ficar passivo, sem se emocionar”, disse Sueli Batista ao tecer comentários sobre o que viu.

Betth Ripolli diz que Musicare traz como resultado um passeio pelo que há de mais contagiante na música popular, onde os participantes, motivados pelas histórias e canções, interagem com muita emoção e envolvimento. A presidente da BPW Brasil viu que neste caminho há inúmeras possibilidades para empreender e espera estabelecer um importante duo, trio, quartetos, quintetos e até uma banda inteira de parcerias.

Sueli Batista foi além de se emocionar, cantar ou de ser tocada com as palavras que mostraram caminhos para o autoconhecimento. Viu o trabalho de Betth Ripolli como uma possibilidade de transformar a vida de outras mulheres que tem em suas respectivas trajetórias as marcas da violência de gênero. Vislumbrou também uma possibilidade de parceria que contribuirá para ser um instrumento de difusão da própria ONG Feminina, que poderá ter sua marca como uma chancela na busca de apoiadores para eventos, nos quais deverá ter principalmente como público alvo mulheres vítimas de violência doméstica e familiar.

Quando Betth Ripolli interpretou “Em nome das rosas”, de sua autoria, composição de temática feminina, que mostra a superação e a garra da mulher, ela citou que já fez a versão em espanhol para atender a BPW Brasil, sendo que cederá a composição para trilha sonora da apresentação do Congresso Regional da BPW na América Latina e Países do Caribe de Fala Hispânica. A versão em português também estará autorizada para a organização utilizar, visando uma espécie de chamada geral para que as mulheres cantem juntas, como se fortalecessem as notas sonoras para uma retomada de seus próprios repertórios de vida, independente dos obstáculos que tiveram de superar. A BPW foi citada no palco, destacando-se a presença das suas dirigentes, num momento de muito reconhecimento a organização que a artista pertence.

No dia 19, Sueli Batista e Vera Di Pietro foram conhecer um pouco da empresa de Betth Ripolli, a Harmonia Eventos Musicais, e em uma reunião definiu-se algumas estratégias para consolidar a parceria. É bem possível que ainda neste ano, já ocorrerão eventos com a palestra musical adaptada com algumas sugestões propostas pela BPW Brasil, para apresentações futuras. Betth informou que há, inclusive, uma aprovação do projeto da palestra Musicare, pela Lei de Incentivo e Fomento a Cultura, que poderá ser como um canal importante para dar start a parceria.

Fonte: www.bpwbrasil.org