É preciso o maior de todos os amores, que é o amor por nós mesmos. É necessário se desvestir de crenças limitantes, ter força interior para encarar o novo, coragem para ousar no desconhecido, para que haja uma apropriação efetiva de nosso corpo, mente e alma.
Ninguém é dono de ninguém, a não ser de si próprio. Somos soberanos sobre nossa individualidade, nosso pensar, sentir e querer.
Pequenos “insights” podem gerar grandes transformações. Há que se ter um desejo profundo de ir em frente. Com flexibilidade, generosidade e humildade para aceitar e transformar aquilo que nos vem por quem sabe mais, seja pelos livros, cursos, terapias ou, simplesmente, por uma reflexão.
A experiência dada pela escola da vida não tem preço.

Se com ela pudermos vivenciar a liberdade, o compromisso e a escolha, forjaremos os pilares ideais para termos paz e equilíbrio interior.
E se tudo isso vier inundado de perdão e gratidão, estaremos a um passo do tão almejado equilíbrio do bem viver.
Sempre bom começar de novo e saber que contamos, acima de tudo, com nós mesmos.
Confie! Sempre, depois de um anoitecer, haverá um novo dia!