Aqui um pouco da história de uma mãe, professora de piano e violão que resolveu ser dona de seu destino! Reproduzo abaixo um trecho do lindo post “Betth Ripolli em… A arte de recomeçar” publicado por Cibele Torquato no blog Beleza, Histórias & Canções.

[divider]

Betth, Brilho e Batom… Um apelido carinhoso pelo qual foi conhecida nossa querida amiga no começo de sua nova carreira. Não só seu apelido é fashion, mas seu nome também tem um significado todo especial, pois homenageia a coroação da rainha Elizabeth, que se deu na época de seu nascimento.

Filha do famoso Romeu Ítalo Ripolli, que entre muitas outras coisas (muitas mesmo) foi presidente do time de futebol XV de Piracicaba por 17 anos e presidente da Câmara Municipal, aprendeu com ele valores que carrega até hoje, como honra, disciplina, ética e educação financeira. Claro que essas lições nem sempre foram aprendidas da forma mais didática, pois ele era um homem enérgico, dono da verdade e muitas vezes ditador. Por outro lado era super bem humorado, e Betth era muito amada por ele. Tudo o que fez foi, a seu modo, para melhor protegê-la, e com a melhor das intenções.

Ela nos conta que poucos dias antes de fazer 15 anos, ficou a sós com um menino numa matinê em sua cidade natal, Piracicaba. Entendamos esse “a sós” como algo que durou alguns minutinhos apenas, sem nenhum tipo de contato físico, nem encostar na mão sequer. Quando seu pai ficou sabendo através de algum dedo duro, ela apanhou pela primeira vez e teve seu vestido de debutante, que usaria em breve, todo rasgado por ele. O plano era que o primeiro beijo de Betth acontecesse só após o casamento. Deu para entender como ele era um pouquinho exagerado né…

Aos 16 anos não quis mais receber dinheiro dos pais, e começou a trabalhar dando aulas de piano, violão e inglês. Dois anos depois, quando a família estava vivendo uma crise financeira (seu pai estava com depressão por ter sofrido uma séria perseguição política), Betth anunciou que iria estudar nos EUA. Questionada sobre como pretendia fazer isso, respondeu que ela mesma pagaria, pois tinha economias de seu trabalho. Arrasou! Casou-se aos 20 anos, e já nesse início de casamento, mais especificamente no primeiro dia, recebeu uma notícia que a chocou bastante: O patrão de seu esposo, que havia lhe prometido um aumento e com o qual estavam contando para arcar com as muitas novas despesas, foi sequestrado e morto. Foi péssimo, mas não o fim do mundo. Como Betth sabia cuidar muito bem de seu dinheiro, conseguiu sustentar o seu lar com as economias de suas aulas durante muitos meses.

Leia essa história completa no blog Beleza, Histórias & Canções